Read Towards a Philosophy of Photography by Vilém Flusser Hubertus Von Amelunxen Anthony Mathews Online

towards-a-philosophy-of-photography

Media philosopher Vilém Flusser proposed a revolutionary new way of thinking about photography. An analysis of the medium in terms of aesthetics, science and politics provided him with new ways of understanding both the cultural crises of the past and the new social forms nascent within them. Flusser showed how the transformation of textual into visual culture (from the liMedia philosopher Vilém Flusser proposed a revolutionary new way of thinking about photography. An analysis of the medium in terms of aesthetics, science and politics provided him with new ways of understanding both the cultural crises of the past and the new social forms nascent within them. Flusser showed how the transformation of textual into visual culture (from the linearity of history into the two-dimensionality of magic) and of industrial into post-industrial society (from work into leisure) went hand in hand, and how photography allows us to read and interpret these changes with particular clarity....

Title : Towards a Philosophy of Photography
Author :
Rating :
ISBN : 9781861890764
Format Type : Paperback
Number of Pages : 94 Pages
Status : Available For Download
Last checked : 21 Minutes ago!

Towards a Philosophy of Photography Reviews

  • Jesse
    2018-11-14 15:24

    Interesting attempt to build a theoretical framework around photography, sometimes gratifying, but not always successful. The central idea of an "apparatus," tied to mechanical devices, social systems, and "programmed" with every possibility already inherent in the device itself... it's one of a number of intriguing conceptual turns taken by Flusser.I sensed two major weaknesses in Flusser's framework. First, he's often rehashing ideas of other thinkers on these topics... Heidegger's ideas about technology, or McLuhan's writing about artifacts and extensions of the senses... and his versions of these ideas are less coherent and less developed than these previous theorists. Flusser would have benefited from more thoughtful citation, and more focus.Second, too many of Flusser's conjectures, in attempting to be clever or provocative, simply miss the mark. His claim that photographic devices (i.e. cameras) are a sort of consciousness, working toward its own technological evolution -- this is one of a number of half-baked speculations that needs to be sharpened significantly. At times, Flusser's axioms aren't clever or useful enough to justify their leaps of logic.That said, this is a decent starting point for thinking about photography in a postmodern, highly conceptual way.

  • Paula
    2018-11-29 13:11

    Brief. Fascinating. According to Flusser, we’re caught, it seems, in a Kafkaesque condition of non-freedom, swallowed up so to speak by our apparatuses. He describes two historical paradigm shifts: the invention of writing, which he situates in the second millennium BCE and the invention of photography in the 19th century. He states that the first humans were surrounded by their tools; then, as a consequence of the Industrial Revolution, humans began to surround their machines; finally, after the invention of photography, humans came to reside within their image-making apparatuses, inside the thoroughly programmed and programmable black boxes of their cameras (shorthand for all systems that self-program by means of feedback). Flusser depicts information technologies that produce redundant and non-original images, as well as political and economic systems that are themselves apparatuses, as entities that use humans for their own evolution and success rather than vice versa. This idea reminds me of Michael Pollen’s The Botany of Desire with its claim that we are used by that which we purport to use. Flusser also brings to mind Foucault in the sense that his philosophy allows for only the most elusive and problematic possibility of human agency. For Flusser this potential/ possibility is located in what he calls “experimental” photography in which a photographer intentionally subverts an apparatus and thus creates a kind of free space. Unfortunately, Flusser provides neither a definition of nor specific examples of such experimental photography. This might be because both definitions and examples are inherently shifty and shifting, impossible to pin down from one post-industrial, post-historical “now” to the next. Flusser’s references to the lost linearity of history almost make me nostalgic. I’ve become so used to devaluing stodgy linear progression in favor of non-linear multiple points of view and chance operations (in life, but most especially in art) that I’m quite surprised by the longing for such an historical model that Flusser’s writing provokes in me.

  • Parham
    2018-11-24 10:55

    به نظرم برای کسایی نوشته شده که درباره عکاسی و بحث های پیرامونش قبلا مطالعه داشتن... ی خرده برای من که تازه میخواستم وارد دنیای عکس بشم مبهم بود بعضی قسمتاش...بعضی از قسمت ها هم ذهن آدم رو درگیر می کرد و به فکر می انداخت که خیلی خوب بود...

  • Mark Broadhead
    2018-11-25 13:59

    What a mess. A 'philosophy' book without references. A multitude of quips, without thought, or little consistency with what he has said before or will say in the next sentence. Is there no good thinking on photography other than Barthes' Camera Lucida?

  • Rodrigo Novaes
    2018-11-18 16:17

    This book is not about photography - it is a political manifesto about freedom in a programmed world.

  • Evaldas Svirplys
    2018-11-14 16:58

    Antikapitalistinis manifestas?

  • Eduardo Deboni
    2018-12-09 16:24

    The Czech philosopher, naturalized Brazilian, Vilém Flusser (1920-1991) considers the invention of photography as important as the invention of writing. While writing revolutionized humanity and marked the beginning of the historical period, photography, and its new coding and symbolization of the information, make the post-history, with equally revolutionary developments, developers and modifiers of humanity. He has glimpsed the magical ability of a photographic image could destroy the one-dimensional feature, linear, of the texts. Not only photos but also videos and other electronic media are co-responsible for this post-historical revolution. We have been living witnesses that, in recent years, images have ceased to be mere text illustrations, to become the protagonists of the media. They submitted the texts to a supplementary or secondary role. This phenomenon enhanced by two important aspects, closely linked to the photo: ease of use and availability of the photographic apparatus and distribution capacity and access to the photographic information. These ideas are explored in great detail in the book that I find extremely interesting to read and think about. Highly recomended.

  • Al Matthews
    2018-12-06 16:06

    Hello. So, inspired by friend-traffic on this site I'll begin a temporary but sustained one-per-day or so.Item one: sorta trendy a certain number (7? 10?) of years back; but really, this seems a very lovely translation and is a very well-couched bit of theory, because it's a great read.Prospective readers will note this is not so much a sustained analysis of photographic practice as a fresh contribution to typically mealymouthed discussions of the relation between writing and image -- plus a theory of freedom.It's also very short: two or three hours of your life.(And in fact, I'm thinking it was written in English, although Flusser also wrote [his early] philosophy in Brazilian [ehhm, Portuguese], [his later mostly in German,] I believe French [still checking], and his native language, Czech.)Couched in essay form, which cost Flusser a certain amount of professional recognition; friendlier going than the source of my biographical gropings, which is _Writings_ from Minnesota's Electronic Mediations series. Sorry I don't have that on hand. You'll be saddened to hear Flusser died in car crash on the way home from a lecture.

  • Joséphine (Word Revel)
    2018-12-05 16:55

    Actual rating: 4.5 starsInitial thoughts: I expected this book to be rooted more in theory. Instead, Flusser set out to contribute hypotheses to the discourse of photography. He did mention this in the foreword though, so that was clear from the beginning. Towards a Philosophy of Photography is not solely about photography but about the deconstruction of information—how it's encoded and decoded, the cultural influences and how it is conveyed. Flusser broke down photography into the image, the apparatus and the functionary/photographer, which added much clarity to his discussion.When he did refer to other thinkers like Marx and Kafka, his survey of their theories in relation to photography were extremely brief. They would've benefited a clearer analysis but that wasn't Flusser's intention, thus he didn't even include a bibliography at the end.

  • Taco Hidde Bakker
    2018-12-08 11:14

    Texts on photography making you think photography - as system and function of the natural, scientific, and social worlds, rather than as an art or practice. If you want to read about photographers or particular photographs, read others. If you wish to receive stimulating speculation towards thinking photography as abstract category, Flusser is your thought-feeding-machine. But don't forget to free yourself by playing against machines!

  • Char Tan
    2018-12-02 09:00

    Flusser's anti-quote bravado and originality is refreshing,vexing, and at times depressing...it changes how you see everything.

  • carpe librorum :)
    2018-11-26 09:57

    Este ensaio serviu-me de incentivo para uma reflexão crítica sobre a Imagem, mais especificamente sobre a Fotografia. Interessa-me sobretudo tratar da problemática da imagem fotográfica enquanto expressão do pensamento, tentando perceber a intenção do Fotógrafo.É um livro muito peculiar, o autor tem conceitos próprios que me causaram alguma estranheza, porque não é convencional, tem um discurso particular, fácil de ler mas não justificativo e de certa forma, provocador. Depois de descodificar os seus conceitos e linguagem, começa a fazer sentido. Flusser convida a um debate (como parece ter feito quando proferiu as aulas e conferências que foram a base do livro) e eu gostaria de aceitar o desafio e mostrar o meu ponto de vista. Posso tentar justificar algumas afirmações do autor com as quais concordo, e refutar outras de que discordo, mas não o farei com conclusões definitivas. Gostaria que o meu ponto de chegada fosse ponto de partida para outros debates.A Escrita da LuzA Luz é o elemento fundamental para o assunto em questão. Flusser não fala directamente sobre a luz, mas eu acho importante focar este ponto. Sem Luz, não existia cor, nem imagem. Verbos como ver, olhar, observar, focar, deixariam de fazer sentido. Não haveria designers gráficos e eu teria de escolher outra profissão. Por isso, estou muito grata à existência da Luz.A fotografia é uma imagem técnica escrita pela Luz. Uma "imagem produzida por um aparelho" que se chama máquina fotográfica. A técnica revolucionou a produção de imagens que antes da sua invenção eram de certo modo únicas e irrepetíveis, não eram escritas por nenhum aparelho, eram simplesmente observadas pelo olho e retidas na memória. Mas desde o aparecimento das técnicas de reprodução (gravura, imprensa, fotografia, cinema) as imagens podem ser registadas e repetidas mecanicamente e este facto revoluciona completamente o modo de olhar e a percepção da memória. Tal como Walter Benjamin fala sobre a reprodutibilidade técnica das obras de arte, as consequências culturais e políticas não podem ser ignoradas.Flusser considera o Fotógrafo um funcionário da máquina fotográfica, ou seja, uma "pessoa que brinca com o aparelho e age em função dele", sendo o aparelho um "brinquedo que simula um dado tipo de pensamento". Este raciocínio tem toda a lógica, mas não me agrada a limitação que faz do Fotógrafo um mero agente que fica à mercê do programa da máquina. Quero procurar um modo de escapar a esta escravatura.O autor considera programa "um jogo de combinação com elementos claros e distintos". É então o programa que dita as regras que permitem brincar com o aparelho, e o tornam utilizável. Flusser afirma que quanto mais rico for o programa, mais interessante se torna o aparelho, porque é mais difícil esgotar todas as suas hipóteses. No jogo, é a possibilidade de vencer, de bater o recorde que entusiasma. Assim sendo, a máquina fotográfica é um aparelho interessante, porque as hipóteses contidas no seu programa são quase inesgotáveis. É este "quase" que quero explorar. A ideia de esgotar o programa é um desafio sugestivo. Mas como consegui-lo? Como fotografar de um modo que não esteja já inscrito na memória do programa? Como fotografar o infotografável?Flusser apresenta a ideia de que "as fotografias ‘melhores’ seriam aquelas que evidenciam a vitória da intenção do fotógrafo sobre o aparelho". É uma pista que eu vou seguir. Então há que explorar a intenção, o conceito por trás da fotografia.Sugitmoto, um fotógrafo japonês de cujo trabalho falámos na aula, tem uma série de fotografias tiradas em salas de cinema em que se vê a tela luminosa e a sala vazia. Aparentemente, é uma série de imagens perfeitamente fotografáveis, tanto assim que se inscrevem no papel. Mas depois de entender o conceito, vejo o que há de invisível e infotografável nas imagens deste fotógrafo. O obturador da máquina é aberto durante todo o tempo que decorre o filme e é a luz das imagens que sensibiliza película fotográfica. O modo como a fotografia foi feita denuncia a intenção do fotógrafo, a ideia de fotografar o espaço e o tempo numa só imagem que prolonga o gesto de fotografar pelo tempo, e aqui parece-me estar uma ideia do infotografável.Para conseguir chegar a este ponto, é preciso dominar a técnica, saber as regras do jogo, ter perfeita consciência das potencialidades do aparelho. Flusser fala do conceito de caixa negra. Este termo vem da electrónica e designa "uma parte complexa de um circuito electrónico que é omitida intencionalmente no desenho de um circuito maior (geralmente para fins de simplificação) e é substituída por uma caixa vazia (box), sobre a qual apenas se escreve o nome do circuito omitido”. O nosso mundo está repleto de caixas negras, nos automóveis, nos computadores, nas nossas cabeças e em objectos mais simples também. Caixas negras são todos os mecanismos que sabemos utilizar, sabemos como dar indicações (input) e como receber respostas (output), mas desconhecemos verdadeiramente como funcionam. É claro que máquina fotográfica tem uma caixa negra. Eu gostaria de clarificar essa caixa, na tentativa de assim conseguir perceber melhor as potencialidades técnicas do aparelho.O branqueamento da caixa negraNas aulas de fotografia, o primeiro exercício proposto foi a construção de uma máquina fotográfica. Uma caixa de cartão, papel fotográfico e folha de alumínio foram os materiais que utilizei. Depois de muito bem isolada para não deixar passar luz para o interior e devidamente apetrechada com papel fotográfico, destapei o pequeno orifício feito na folha de alumínio por onde a luz entrou. Esperei algum tempo (bem mais do que demora o clique numa máquina convencional, porque a distância de focagem e a zona de projecção da imagem são maiores, não há nenhuma lente e o papel fotográfico é menos sensível à luz que o negativo de película) mas depois de revelar o papel no laboratório, fui recompensada com uma imagem em negativo do motivo fotografado. Depois foi só pôr o negativo em contacto com papel fotográfico e expô-lo à luz de um projector e obtive a imagem que tinha fotografado. O princípio é sempre este – a luz sensibiliza o suporte (que para isso é quimicamente preparado), o suporte é revelado (com químicos próprios e um tempo variável), é exposto novamente à luz de modo a projectar a imagem no papel sensibilizado e o papel é revelado. É o princípio da câmara escura em que numa caixa isolada da luz, um pequeno orifício permite a passagem dos raios luminosos. É como o olho funciona também, as máquinas fotográficas são uma imitação da natureza, uma cópia mecânica do olho humano, em que a íris corresponde ao obturador, o cristalino à lente, o globo ocular à câmara escura. Depois é só ajustar uma série de variáveis como a velocidade de exposição, a focagem, a distância (que podem ser manuais no caso das máquinas, mas é automático no olho saudável) e a luz faz o registo no cérebro ou na película fotográfica.Desde que Flusser escreveu o livro (1983) até hoje, aconteceram importantes alterações no mundo da imagem. A era digital revolucionou o modo como as imagens são produzidas. Se antes bastava um simples clique para obter uma imagem, ainda era necessário todo o trabalho de laboratório até chegar a uma imagem visível, é necessário revelar, fixar, deixar secar… agora, com uma câmara digital, basta o clique, um cabo, e um computador. Num segundo, a imagem fica acessível num ecrã, podendo depois ser impressa. A máquina digital tem um programa mais complexo, é mais difícil desvendar a caixa negra. Mas pelo que entendo, a máquina tem um programa composto de instruções em bits (binary digits, software compatível com o computador, sequências de 0 e 1, on e off, pequenos impulsos eléctricos ultra rápidos compõem a linguagem da máquina) que capta a luz e a transforma em pixels (picture elements, quadradinhos minúsculos de cor uniforme que compõem a imagem, mapas de bits com instruções sobre onde devem ser colocadas e quais as cores usadas) são codificados e armazenados na memória digital da máquina. As mais avançadas possuem um pequeno LCD (liquid cristal display) que transmite a cor através de cristais líquidos de mercúrio que serve de interface e para ajustar o enquadramento. É assim possível visualizar a fotografia tirada, e se não ficou como o pretendido, basta uma simples instrução carregando num botão para apagar da memória, sem vestígios nem desperdícios. Depois, a memória que contém as fotos é transferida para o computador através de um cabo (ou de um disco). Aí passa por mais uma série de caixas negras, todas as ligações e terminais até à CPU (central processing unit, onde se processa toda a informação), instala-se na memória RAM (random access memory, uma memória volátil de acesso aleatório que se perde quando se desliga o computador e que serve para carregar os programas necessários ao funcionamento do computador e suportar as alterações do trabalho), e é depois enviada para a placa gráfica que codifica e envia a informação para o monitor. O monitor por sua vez pode ser LCD ou ter um sistema de projecção da imagem através de raios catódicos que criam feixes de luz colorida no contacto com o fósforo da superfície do ecrã, que está dividida em pequenos pontinhos tricolores, que compõem o sistema RGB (red, green, blue, cores de luz primárias, visíveis com uma lupa ou através de uma gota de água). Estes pontos variam de intensidade luminosa consoante a cor, copiando o modo como os objectos absorvem e reflectem a luz na natureza. A imagem pode depois ser manipulada com um programa próprio, repleto de instruções, e gravada num disco ligado ao computador. Pode ser enviada para uma impressora (passando novamente pela CPU e sendo novamente codificada num buffer – memória de armazenamento temporário da impressora) onde é impressa através de injectores de jactos de tinta, ou raios laser que queimam o tonner, um pó de quatro cores diferentes que também podem ser tinta no caso dos injectores (sistema CMYK- as cores primárias da quadricromia: cyan, magenta, yellow e black) que seguem as instruções do computador para colocar a tinta exactamente onde deve ser, numa questão de segundos, com pontos (no caso dos jactos de tinta) que podem ultrapassar os 5 000 por polegada, ou linhas (no caso do laser).Todos estes programas estão dentro de programas que por sua vez contém programas, caixas e mais caixas negras numa sequência cada vez mais complexa. Parece que quanto mais facilitado é o trabalho do Fotógrafo, mais complicado é o programa que torna possível essa simplificação e mais difícil se torna esgotá-lo. Mas não chega dominar a técnica para fazer boas fotografias, pois se assim fosse, os melhores fotógrafos seriam os engenheiros que constróem os aparelhos. Parece-me que é a intenção aliada ao conhecimento da técnica que podem resultar num trabalho único e inovador, capaz de libertar o Fotógrafo do programa da máquina.A importância da Filosofia na FotografiaA espantosa acessibilidade, multiplicidade e rapidez com que as imagens são produzidas, reproduzidas e transmitidas dá que pensar. A imagem técnica está tão banalizada que já não surpreende, não lhe damos a devida importância por causa da saturação provocada pelo excesso de imagens, mas não convém ignorar o poder da Imagem. A Fotografia pode identificar, servir de prova, avivar memórias, ressuscitar até os mortos, substituir o objecto do qual se passa a ter uma memória sem nunca se ter tido a experiência de ver esse objecto. A Fotografia pode também ser perigosa porque é facilmente manipulável e a manipulação é cada vez mais difícil de detectar devido ao aperfeiçoamento da técnica. Assim, as imagens caiem em descrédito, perde-se a “magia” de que fala Flusser, a primeira implicação da imagem.Uma forma de evitar este perigo pode ser pensando sobre ele. Flusser dá mais uma vez o mote, definindo a Fotografia como “imagem produzida e distribuída automaticamente no decorrer de um jogo programado, que se dá ao acaso mas que se torna necessidade, cuja informação é simbólica, na sua superfície, programa o receptor para um comportamento mágico.” Ora como esta definição fala em automatismo, acaba por excluir o seu humano com agente activo e livre, o que é difícil de aceitar. Daqui pode-se partir para a discussão. É difícil aceitar que a máquina ultrapasse metafisicamente ser humano. Já basta terem programas mais rápidos e mais eficientes, quanto mais tornaram-se modelos de pensamento. É certo que a máquina fotográfica (bem como todos os aparelhos construídos pelo ser humano) tem a dimensão humana como base e foram construídas tendo o olho como modelo. Mas isso não a transforma num olho. A máquina não VÊ, apenas pode ajudar-nos a ver de outra maneira, melhor ou pior.Segundo Barthes, a fotografia fixa um tempo que não volta, conserva, congela um momento. Mas Fotografia não é apenas o resultado do clique, implica um momento de uma história que pode voltar a ser contada e recriada, quando se quiser. É claro que as pessoas têm o direito de fotografar sem pensar, mas isso é ficar preso ao clique da máquina. A Filosofia da Fotografia serve para cortar a dependência do ser humano em relação aos programas fotográficos. Creio que a consciência do poder da Fotografia liberta-nos para um caminho onde é possível dominar o aparelho. O gesto de fotografar com uma intenção inédita desmarca o Fotógrafo do programa pensado para a máquina. Assim, é possível ver uma fotografia e recuperar o seu carácter mágico, não perdendo a noção da sua complexidade técnica e semântica. recensão para a disciplina de Memória e Imagem (4º ano de Design Gráfico)

  • Kyle Crawley
    2018-12-08 12:06

    A version of Heidegger's 'The Age of the World Picture' where the fourfold take on its technical or cybernetic dimensions (i.e. 'image,' 'apparatus,' 'program,' and 'information'). An interesting read and connected to Flusser's writings on writing (see 'Into Immaterial Culture'). Favourite idea from the text: the the image as surface. Question: why are human beings forced or compelled to reduce the world to surface? As ek-sistence, is this our only way to comprehend it?

  • Benjamin
    2018-11-12 16:10

    This book is the reason why a raven is like a writing desk. It has helped me a great deal in understanding a development of the natural world. Flusser's philosophies are a mastery. And particularly, his ideas on the apparatus are wonderful thoughts. This is a book that I will return to again and again. I have added here a brief thought inspired by the book entitled 'The Magic of Photography.' The Magic of PhotographyImages are textual mediations that work to reconstruct a reality between world and humanity. Images signify a space and time. As so they are reductions from four dimensional space and time into two dimensional surfaces. These surfaces are interpretable as preconditions of producing and decoding thoughts, an imagination. To diagram a world, requires a form of history. As images provide us with a memory of a world, they can be catalogued as a linear progression that translates ideas into concepts. These concepts are then encoded in a new way as they reveal a similarity to the moment of reading, or making sense of graphemes. So in this way, we may think of writing systems as a way to make images comprehensible. The photo album is thus an image-text; it is an assemblage of indexible spaces that form a constellation. They are a reduction of spaces and time. They are pictographic, logographic and signifiers of objects in the program of the post digital world. And like writing, images create and inform worlds.

  • Anselm
    2018-11-24 17:16

    I learned that a philosophy book can have hardly any references to other works of philosophy, be totally cracked in a manner that wins, contain no images while being all about images, be fun to read with a couple glasses of white swill, and extend its arms to consciousness with the sensitive insistence of an evil kitty.

  • Tiago Vitória
    2018-11-12 11:05

    Fascinating way of thinking but sometimes it can be too hermetic for the reader. No question about the philosophical side of this book, some chapters put you on a situation of pure thinking and questioning the real photography value aswel as the problems raised by the democratization of photography in our society.

  • Matthew
    2018-11-27 11:16

    very interesting read. very short, very dense. but most interestingly, it treats photography as an industrial/post-industrial human condition and way of seeing the world at large. It also, as the title implies, does not try to be the end-all-be-all on photography.

  • Mika Mota
    2018-12-09 11:04

    very hard reading, but now I have the perception of the black box. The machine is to be our slave, not our master

  • Daniela López
    2018-11-12 08:59

    Es un texto bastante complejo a diferencia de La Cámara Lucida, con una mirada menos emocional y mucho mas critica con respecto al sujeto y la sociedad que vive ahogada en imágenes técnicas.

  • Sergey Babkin
    2018-12-12 08:58

    Сильное заявление. Проверять я его, конечно, не буду.

  • Kim
    2018-12-08 10:55

    Loved it. Flusser's ability to get into my brain and poke at it never ceases to amaze me.

  • Steen Ledet
    2018-11-22 10:18

    Lots of good insights but also highly tendentious and ignores aesthetics far too much.